sábado, 23 de abril de 2011

A Páscoa dos Chocólatras

Entrei em pelo menos três lojas de conveniência semanas antes da data comemorativa referente à venda de ‘ovos’ achocolatados. Fiquei abismado com a quantidade de pessoas que enfrentavam imensas filas para a compra dos presentes pascais e tudo referente à data comemorativa, apetrechos que nada têm a ver com real sentido da data. Vejamos o sentido do momento que mais atrai chocólatras às lojas.
Passover, ou simplesmente, Páscoa. Feriado judaico. Páscoa! Nome oficial hebraico: פסח (Pesach). Nome oficial hebraico: פסח (Pesach); Observado por judeus, samaritanos, incluindo alguns cristãos seguidores do judaísmo messiânico.
A palavra PÁSCOA significa "passagem", tanto para os judeus quanto para os Cristãos.
No sentido Judaico, a Páscoa (Êxodo 12:18,19; 13:3-10) é a comemoração da saída do povo de Israel da escravidão do Egito. Começa no décimo quarto, à tarde- isto é, no princípio de décimo quinto dia de Abide ou Nisã, com a refeição sacrificial, quando um cordeiro ou um cabrito inteiro era assado e comido pelos membros duma família com ervas amargas e pães ázimos (sem fermento); nessa ocasião o chefe da família contava a história da redenção do Egito. Os sacrifícios significavam expiação e dedicação; as ervas amargas faziam lembrar da amargura da servidão egípcia; os pães ázimos simbolizavam a pureza (Lev.2:11).
Qual o significado da Páscoa para o judeu?

NO calendário judeu, comemora-se o Êxodo, a libertação da escravidão dos filhos de Israel do Egito antigo que se seguiram as Dez Pragas. A partir dos 49 dias da Contagem do Omer, começa dia 15 de Nisan. Termina dia 21 de Nisan, em Israel, e entre alguns liberais judeus da diáspora, dia 22 de Nisan fora de Israel entre os mais tradicionais dos judeus da diáspora.
Desde o pôr do sol de 18 de abril até o anoitecer de 25 de Abril / 26 Abril (7 dias), até  o pôr do sol data de  06 de abril até o anoitecer de 13 de Abril / 14 Abril (7 dias).

Celebrações na prática judaica, uma ou duas refeições festivas com o Seder (prato com alimentos simbólicos). As duas primeiras noites no Templo em Jerusalém, para o Pessach Korban.


Pessach Korban ou Korban Pessach (em hebraico: קרבן פסח "sacrifício da Páscoa"), também conhecido como o "Cordeiro Pascal" é o sacrifício que os mandatos Torah para ser trazido na véspera da Páscoa, e comido na primeira noite do feriado com ervas amargas e pão ázimo. De acordo com a Torá, foi oferecida pela primeira vez na noite do êxodo dos israelitas do Egito. Embora praticada pelos judeus nos tempos antigos, o ritual não é mais realizada hoje, exceto por certos grupos minoritários, geralmente considerado herético.

Na narrativa do Êxodo, a Bíblia diz que Deus ajudou a escapar da escravidão Filhos de Israel no Egito, pelo fato das dez pragas infligirem sobre os egípcios diante de Faraó. Este, por sua vez, iria libertar seus escravos israelitas, a décima foi a pior das pragas, o massacre do primogênito (o primeiro filho nascido). Os israelitas foram instruídos a marcar os umbrais das portas das suas casas com o sangue de um cordeiro da mola e, ao ver isto, o Espírito do Senhor passou por cima dessas casas, uma maneira fácil de lembrar o feriado. Quando o faraó libertou os israelitas, sairam com tanta pressa que não podiam esperar a massa do pão a subir (fermento). Em comemoração, durante o período da Páscoa nenhum pão fermentado era ingerido, razão pela qual é chamado de "A Festa do Pão Ázimo".

Samaritanos ainda fazem esta peregrinação ao Monte Garizim, mas os homens só participam no culto público. Na prática Samaritana, os homens se reúnem para uma cerimônia religiosa no Monte Garizim, que inclui o Sacrifício da antiga Páscoa. Relacionado ao Shavuot ("Festa das Semanas"), que segue 49 dias a partir da segunda noite de Pessach. Juntamente com Shavuot (Pentecostes) e Sucot ("Tabernáculos"), a Páscoa é um dos três festivais de peregrinação (Shalosh Regalim) durante o qual todo o povo judeu historicamente fez uma peregrinação ao Templo de Jerusalém.

Qual o sentido da Páscoa para o Cristão.
Para os cristãos (católicos e protestantes) a Páscoa simboliza a morte vicária (substitutiva, ou seja, Jesus morreu em nosso lugar para nossa redenção) de Cristo, bem como a promessa de ressurreição e 2a vinda (parousia). Para estudiosos, "em 325 d.C., o Conselho de Nicea, composto por membros da Igreja católica, criou a tabela eclesiástica, baseada na "Lua Eclesiástica", imaginária. Na verdade, o Dia da Páscoa, e o primeiro Domingo depois da Lua Cheia Eclesiástica que ocorre após 21 de março, dia do Equinócio, que é quando o sol passa por sobre a linha do Equador. A Quarta-feira de cinzas acontece 46 dias antes da Páscoa, portanto, a Terça-feira de Carnaval, último dia da festa pagã antes da quaresma." Portanto a celebração da Páscoa é móvel de ano para ano.
Qual o sentido da Páscoa para o Consumismo Capitalista?

A páscoa é um período lucrativo para a indústria de chocolates. Toneladas de ovos, barras e bombons são produzidas e comercializados em todo o mundo. Mas, o real significado da data, para muitos, não é valorizado. A morte e ressurreição de Jesus Cristo ficam em segundo plano.