Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril 25, 2012

#momentos

Hoje bateu saudade daquela época que começamos a ir para o Arpoador nas férias de Janeiro e Julho. A galera da Rua do ABEU se encontrava na padaria do Seu Zé, e cedinho partia de TL (Trem Lotado) em direção à Zona Sul. Tudo começou com o Jacaré (surf de peito), prancha de isopôr, e ... logo, logo veio o Body Board. Porém, o mais radical mesmo era dropar em pé de pranchinha, fosse de bi, quadri ou triquilha. O Marconi, mais conhecido como Peito de Pombo, migrou para o Recreio por pilha dos mais antigos que eram vistos por nós como surfistas. Vestiam-se como surfistas, falavam como surfistas, tinham pranchas, como todo surfista tem, mas... deixa pra lá [rs]. O Enzo era o louco da galera! Sempre foi o precursor da galera. Gostava da radicalidade[rs], me botava uma pilha...Vem Baiano! Bora radicalizar!E no dia que fui, viajei no vagão do maquinista, nessas divisões que o trem possui. A Janaína, kkk, foi um dia desses com sua amigas, na época, a Rose, a Deise, creio que a Patrícia , tinha u…

#magnífico

A magnificência divina não se contrapõe à sua simplicidade. Um ser imensurável que compreende mentes limitadas, perdoar vidas que maquinam coisas desagradáveis, e por que não dizer horrendas? Para meros mortais não é compreensivo e os faz ter suas teses como verdade absoluta. “Aos próprios olhos”. O Criador não cabe em caixas de fósforos, por que então minúsculos seres pensantes em relação à Ele, dotados de empirismos acumulados em anos de busca por algo que não acrescenta nada à sociedade, só a divide ou subtrai, acham que podem credibilitar coisas falsas como se fossem verdadeiras? Aquilo que bem os cabe aprovar em meio à sociedade , aprovam, aquilo que não os é cabível, reprovam. O que para uns é inconveniente, para outros não. Eis aí a admirável compreensão divina traduzida por amor. Deus não causa divisão, pelo contrário, seu desejo inicial era que fossemos uma família de filhos e filhas, tendo Jesus como irmão maior – Rm 8:28 –. Uma família de pessoas que pudessem escolher o bem,…

#autenticidade

O preço da autenticidade não é lá tão caro, mas tem seus revezes. Sem autenticidade há perda de identidade, vive-se um personagem criado pelo ego, pela imaginação, por obrigação, ou ordem de terceiros. Se perdemos privilégios, companhias e até possíveis amizades por sermos nós mesmos, a subtração é relevante. A multiplicação acontece quando pessoas autênticas somam conosco mesmo havendo diferenças. O divisor de águas ocorre pelo fato de nos libertarmos das garras de manipuladores e mostrarmos que podemos caminhar com as próprias pernas sendo o que realmente somos, fazendo o que gostamos, sem agredir o meio em que vivemos e as pessoas que amamos.